• Aprovado Projeto de Lei do Não Foi Acidente agora vai para CCJ – Comissão de Cidadania e Justiça.

    by  • 15 de April de 2015 • AGENDA • 0 Comments

    Na manhã de 15 de abril de 2015, exatos 3 anos e 6 meses após ter início a iniciativa popular que visava  1 milhão e 300 mil assinaturas, hoje com mais de 1 milhão, o Projeto de Lei do Movimento Não Foi Acidente foi aprovado na Comissão de Viação e Transporte.

    Quando a Deputada Federal Keiko Ota abraçou a causa, em março de 2013, e  apresentou o Projeto de Lei escrito por Dr. Mauricio Januzzi, ele foi protocolado com número 5568/2013. Em maio de 2014 houve uma audiência pública e com as sugestões colocadas por juristas e especialistas de trânsito, o Deputado Federal Hugo Leal, relator, escreveu o substitutivo que hoje foi apresentado na CVT (Comissão de Viação e Transporte).

    Representados por familiares de vítimas de crimes de trânsito, como Gabriel Oliveira que perdeu em maio de 2014, a esposa Alessandra Tibal Trino Oliveira (33) e a filha Júlia de 1 ano e 5 meses, Gabriel se juntou ao Movimento e hoje o representou muito dignamente.

    A Deputada Federal Clarissa Garotinho, presidente da Comissão de Viação e Transporte que recebeu o Movimento Não Foi Acidente – Viva Vitão na semana passada, presidiu a sessão que aprovou por unanimidade o Projeto de Lei.

    Agora ele será encaminhado para a CCJ – Comissão de Cidadania e Justiça e lá será analisado para depois ir para a Câmara dos Deputados, Senado e Presidência.

    Segundo Roberto Sekiya, chefe de gabinete da Deputada Federal Keiko Ota, o objetivo é que ainda neste ano o Projeto de Lei escrito por Dr. Maurício Januzzi, apresentado por Keiko Ota em 2013 com número 5568/2013 e, agora com o substitutivo do Deputado Federal Hugo Leal seja enfim, aprovado nas instâncias superiores.

    Agradecemos a cada um de vocês que assinaram a petição pública e nos apoiaram nesses quase 4 anos, parecem passos de “formiguinhas”, mas estamos caminhando por um país mais justo!

     

    Relembre a história do Não Foi Acidente:

    Quando Miriam e Bruna Baltresca morreram atropeladas por um motorista embriagado em setembro de 2011, Rafael Baltresca criou o Movimento Não Foi Acidente  e, em 15 de outubro, exatos 3 anos e seis meses atrás houve a “Caminhada para a Vida”, momento em que a petição pública teve início. Logo depois, o Movimento se juntou Movimento Viva Vitão criado pelos familiares e amigos do Vitor Gurman, morto em um atropelamento em julho de 2011. Vitor também foi vítima de uma motorista embriagada.

    O Movimento Não Foi Acidente – Viva Vitão recebeu apoio dos familiares de vítimas de crimes de trânsito. Maria Luiza Hausch é mãe de Alex Hausch, vítima fatal de um crime de trânsito. Lourdes Nunes é mãe de Luís Aceto e nora de Eveline Soares, ambos mortos em 2001.

    São mais de 60 mil mortes na violência viária todos os anos e o Movimento Não Foi Acidente quer que, através de leis mais rígidas, a pessoa deixe de cometer crimes tão bárbaros, mortes que poderiam e deveriam ser evitadas.

    About

    Pedagoga Especializada em Surdez e Psicoeducadora especializada em Teoria, Pesquisa e Intervenção em Luto.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published.

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.