• Mataram meu filho

    by  • 28 de July de 2014 • AGENDA • 0 Comments

    Gladys Ajzenberg*

    Mataram meu filho Vitor. Mataram meu filho há 3 anos atrás.

    No mesmo dia, dois anos antes, mataram o Alex, filho da minha amiga Maria Luiza.

    Ela foi a primeira mãe que eu conheci que teve a mesma perda trágica do que eu.

    Ironia do destino: a morte dos nossos filhos fez cruzarem as nossas vidas e desse encontro nasceu não só uma amizade, mas uma união, um sentido de solidariedade e amor que eu não conhecia antes e nem sabia que existia.

    Nada se cobra ou se julga. Acolhe-se. Basta um olhar ou um abraço e pronto: não é preciso dizer mais nada.

    Todos os dias nossos corações batem capengas e aos trancos e barrancos. Mas se precisamos de um colo ou uma palavra de conforto, pronto!! Lá está!!

    Hoje, data da morte (horror!!) nos falamos rapidamente e, numa sintonia fina, sem necessidade de muitas palavras, nos percebemos vivenciando algo muito parecido: uma revolta no peito!!!!!!

    Falamos muito aqui no nosso grupo, sobre a dor, a saudade, a ausência, a sensação de injustiça, impunidade, inversão da ordem natural das coisas da vida…. Mas hoje especialmente nós duas estamos vivendo uma sensação de REVOLTA!!!!!!

    Há CINCO anos mataram o Alex. Há TRES anos mataram o Vitor.

    Os assassinos, réus confessos, têm nome, sobrenome, endereço, RG, e tudo o mais. E sabem o que aconteceu com eles???? ABSOLUTAMENTE NADA!!!!!!!!!!

    Sabem o que vai acontecer, muito provavelmente, com eles????? ABSOLUTAMENTE NADA!!!!!!!!!!

    Simones, Robertos, Paulos, Ritas, Gabis, Lourdes, Marias, Anas, Vanias, Silvanas, Jôs, Silas, Terezas, Cleides, Giseles, e Janices, e Cristinas e Gracielas, e Bernardos, Therezinhas, Fernandas, e quantas e quantas mães, pais,  filhos, famílias e amigos não vivem a mesma sensação de perda e revolta????

    Queremos gritar bem alto: BASTA!!!!!!!! Isso é inadmissível!!!!! Nós vivemos praticamente numa guerra civil entre motoristas bêbados e irresponsáveis e cidadãos exercendo seu direito de ir e vir com segurança!!!!!

    Onde está o Poder Público que não toma nenhuma atitude??????? As autoridades parecem assistir a tudo como se não tivessem nada a ver com isso. Estão anestesiados?????? Nós é que estamos tentando nos anestesiar para sobreviver!!!!!!

    Não queremos somente chorar nem sermos apontados como pobrezinhos dignos de pena como se fossemos coitadinhos!!!!!!

    Queremos que as atitudes sejam tomadas. Estamos lutando para isso mas as vezes parece que estamos gritando com surdos. Daquele tipo de surdo seletivo, que só ouve o que interessa!!!!!!

    ISSO NÃO É JUSTO!!!!!!!!!

    Alguém um dia me disse: “E quem disse para você que o mundo é justo??”

    Verdade… o mundo não é mesmo justo, porque se fosse, nenhum de nós teria que enterrar um filho, um marido, uma mãe …. Nestas circunstâncias.

    Hoje estamos revoltadas.

    Quem já não se perguntou numa situação dessas: “Mas que mal eu fiz para estar passando por isso??”

    Que nossos filhos, que todo nosso amor que nos arrancaram à fórceps do peito tornem-se nossas bandeiras.

    Amados Alex, Vitor, e amados todos os nossos filhos, e familiares, nós estamos aqui, juntos para suportarmos a falta de todos vocês.

    Saudosos sempre, de alma arrebentada sempre, e muitas vezes revoltados por tudo isso.

    Revoltar-se é não aceitar que algo seja tratado como normal quando pode ser tudo, menos normal.

    Amamos vocês todos, queridos meninos e meninas, e estamos juntos aqui emanando nossa melhor energia para homenagearmos as suas passagens por nossas vidas!!!!

    Vocês são uma luz no nosso caminho muitas vezes tão escuro.

    Obrigada por serem nossos, obrigada por deixarem tantas coisas boas e tantas lembranças, obrigada por fazerem parte das nossas vidas, obrigada por tudo que nos ensinaram e ainda nos ensinam!!!!

    Saudades sem fim!!!!!

    Saudades do que passou, e saudades do que nunca vamos passar com vocês!!

    *Gladys Ajzenberg é mãe de Vitor Gurman e junto a Maria Luiza Hausch e Rosmary Mariano, coordena o Grupo de Apoio à Pessoa em Luto “Acalmando Corações” do Movimento Não Foi Acidente.

    Conheça o grupo em: https://www.facebook.com/groups/acalmandocoracoes/

    About

    Pedagoga Especializada em Surdez e Psicoeducadora especializada em Teoria, Pesquisa e Intervenção em Luto.

    Leave a Reply

    Your email address will not be published.

    This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.